Ciranda de Paulo Freire

O projeto de extensão Afrodita no seu evento “III Ciranda de Paulo Freire”, junto com seus monitores, promoveu uma oficina com o título “Aprender a brincar, brincando”, cujo tinha como intuito despertar o brincar e a imaginação das pessoas residentes da comunidade da Estrada Velha, Acarape-CE.  Nessa ação esteve presente o Rede de Estudos e Afrontamentos das Pobrezas, Discriminações e Resistências, um aliado que ajudou a fazer com que ação tenha sido concluída com sucesso. A atividade foi realizada no espaço a céu aberto, na rua que fazia ligação com as demais outras ruas, de baixo de uma arvore de grande sombra.

Foram desenvolvidas brincadeiras como pular corda junto com as canções aprendidas da região, o jogo com as bilas chamada “triangulo”, a oficina de pintura com papeis ofícios e da cartolina, em um modo mais compartilhado, e a brincadeira com o elástico.

Edições do Natal

Nossa inserção na comunidade da Estrada Velha ocorreu em 2016, através da III Ciranda de Paulo Freire. As festividades de natal aconteceram nos anos de 2017, 2018 e 2019, na própria comunidade. Contamos com a ajuda dos moradores para irmos construindo juntos o evento. São cedidos espaços e casas para guardarmos os lanches e roupas que arrecadamos durante dois meses antes de dezembro. A rede faz as divulgações nas redes sociais, ruas, comércios de Redenção e Acarape e na universidade.

Nestas edições, tivemos apresentações culturais, como as bandas da Unilab e o grupo de dança formado pelas meninas da comunidade, As Afrontosas. E também contamos com atividades dos professores da universidade com as crianças. O nome do evento Natal da Família Estrada Velha, foi dado pelos próprios moradores, como uma forma de demonstrar a união entre eles.

Mutirão da saúde

O mutirão da saúde aconteceu em novembro de 2018, na comunidade. Contamos com a parceria do grupo da enfermagem da Unilab, que levaram e auxiliaram nos exames de medição de pressão, peso, testes de glicose e idas as casas dos moradores para explicar sobre a importância dos exames na unidade de saúde.

Esse momento era uma demanda dos moradores, pois tinham a preocupação com a saúde, principalmente, das crianças. Eles cederam os espaços de suas casas para que os estudantes de enfermagem pudessem fazer os procedimentos. Foi um momento em que a comunidade se reuniu para estarem presentes e atentos a própria saúde.