A frente do Centro Comunitário

A frente do Centro Comunitário surgiu da parceria entre o Centro de Referencia de Assistência Social –CRAS– de Redenção e a Rede de Estudos e Afrontamentos das Pobrezas, Discriminações e Resistências. Inicialmente foi realizada uma formação sobre o processo de inserção comunitária,, na qual eram apontados alguns cuidados e procedimentos no processo de inserção. A formação contou com a colaboração de alguns extensionistas, na qual com partilharam suas experiências e elucidaram dúvidas dos orientadores sociais referentes ao campo e a execução a inserção.

A formação contou com momentos práticos com a possibilidade de aproximar o orientador a vivencia das atividades realizadas dentro das comunidades, como por exemplo, aplicação de questionário, reconhecimento de ruas e de lideres comunitários na comunidade, mapeamento da mesma, e visitas a alguns moradores da comunidade.

Atualmente a reaPODERE e o CRAS estar no processo de inserção na comunidade do Centro comunitário, com o objetivo de reconhecer os moradores, de falar sobre as futuras visitas a comunidade e assim criar e potencializar vínculos. E das possíveis ações a serem realizadas entre os extencionistas da reaPODERE e dos orientadores Sociais do CRAS.

A inserção a Comunidade se deu em virtude da pesquisa Sentido de Comunidade dos indivíduos em situação de pobreza no Maciço de Baturité, Essa pesquisa faz parte de um estudo internacional, envolvendo além do Brasil; a Colômbia, Chile, Porto Rico e México. No entanto, este projeto refere-se somente ao contexto brasileiro, mais precisamente o Maciço de Baturité. Com o intuito de compreender o sentido de comunidade em cenários locais em situação de pobreza, tendo em vista que, é dever da Universidade Pública apontar essas situações e propor estratégias alternativas de atuação. Assim, fomenta-se, uma formação em pesquisa cientificamente amparada e criticamente estruturada.